VIVER MAIS E MELHOR

Está provado que envelhecer bem é o prêmio de quem começa a se cuidar mais cedo
Aida Veiga

Maurilo Clareto/ÉPOCA
DRIBLANDO O TEMPO
A família Andrade Moreira se conserva com exercício, sem álcool e sem cigarro: Célia, de 84 anos, Marjorie, de 61, Denise, de 39, e Luciana, de 6

No último censo do IBGE, o Brasil tinha 14,5 milhões de pessoas com idade acima de 60 anos - 36% a mais que em 1991. Dentro de duas décadas essa população deverá dobrar. Esses milhões de brasileiros terão a chance de viver muito melhor que os sessentões de hoje graças a uma equação que combina novos conhecimentos científicos, acesso à medicina preventiva, informação e disposição pessoal. 'Apesar do estresse da vida urbana, da poluição e das doenças ainda sem cura, como o câncer e a Aids, nunca houve um período melhor para envelhecer do que este', diz Alexandre Kalache, brasileiro radicado na Suíça e coordenador do programa de envelhecimento da Organização Mundial da Saúde. 'Quem se cuida desde a infância atinge uma qualidade de vida ao envelhecer inimaginável há alguns anos.' A novidade está nas ruas, empresas, escolas e, é claro, academias: cabelos brancos já não depõem contra o corpo saudável e a mente ativa.

O poder aquisitivo conta, mas quem tem o mínimo de informação pode fazer escolhas essenciais: não fumar, beber pouco, comer moderadamente, usar protetor solar e fundamentalmente se exercitar de acordo com o recomendável para a faixa etária. 'É uma receita tão simples e barata que é difícil acreditar que muitas pessoas ainda não a seguem', comenta Luiz Eugênio Garcez Leme, coordenador do grupo de geriatria do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas de São Paulo. Não se trata de buscar a fórmula mágica. A ciência, a medicina, a odontologia e a estética já dispõem de meios para deixar uma pessoa de 60 anos com saúde e vigor comparáveis aos dos mais jovens. 'O envelhecimento sadio não é só questão de genética ou sorte. É uma conquista construída ao longo da vida. Faz quem quer', acrescenta Leme.

OS QUATRO PILARES DA QUALIDADE DE VIDA

FAZER EXERCÍCIO

Quem se exercita combate nove problemas comuns na velhice: doenças cardiovasculares, depressão, câncer, diabetes, pressão alta, arteriosclerose, impotência sexual, perda do sono e da memória


COMER BEM

Uma dieta rica em frutas, verduras, proteínas e grãos faz bem para tudo. Estudos mostram que, dependendo do que come, uma pessoa pode aparentar até 13 anos menos que sua idade real

NÃO FUMAR

Sete em dez fumantes têm doenças na velhice. Depois de cinco anos de abstinência, o não-fumante corre o mesmo risco de sofrer um derrame que quem nunca colocou um cigarro na boca

CABEÇA ATIVA

Usar para não faltar é a receita de combate à atrofia dos neurônios. Ler, jogar xadrez e desenvolver múltiplas habilidades conservam a memória e o pleno funcionamento do cérebro
 

Denise Adams/ÉPOCA
EM FORMA
O advogado Sperb vive bem aos 77 anos. Desde os 40 adotou uma coleção de cuidados

As quatro gerações reunidas da família Andrade Moreira comprovam essa tese. A matriarca, Célia de Oliveira, tem 84 anos. A filha, a artista plástica Marjorie, 61, a neta, a pediatra Denise, 39 e a bisneta, a estudante Luciana, 6. Todas seguem uma alimentação balanceada. Nenhuma fuma nem bebe. 'No máximo, saboreio uma taça de vinho em ocasiões sociais', concede Marjorie. Todas praticam atividade física. Até hoje, a bisavó, Célia, dispensa o carro para se exercitar andando pelas ruas do bairro onde mora, em São Paulo. Marjorie adotou a ioga e o tai chi chuan, Denise faz alongamento e Luciana freqüenta uma escolinha de esportes. Célia aposta que vai comemorar muitos aniversários. Longevidade é característica que passa de geração a geração. Sua mãe morreu com 92 anos. A avó foi até os 94. Se a genética ajuda, também é preciso colaborar com a boa sina da família.

'A genética pode ampliar as fronteiras da idade, mas não garante qualidade de vida', explica o geriatra Wilson Jacob Filho, professor da Faculdade de Medicina da USP. Com os avanços da medicina na prevenção e cura de doenças, a evolução deverá levar o homem a viver até o limite biológico - estimado em 120 anos. Mas ninguém quer passar anos inativo, dependendo da bengala, dos parentes para refrescar a memória ou de uma enfermeira. 'Hoje tenho pacientes com 80 anos que parecem ter 60 porque sempre se cuidaram. A mágica está aí. Para eles, a idade é apenas um número', diz Jacob.

A LINHA DA VIDA

Começa ainda no útero um projeto de vida que pode superar a marca dos 80 anos, com boa saúde física e mental

DA CONCEPÇÃO AOS 20 ANOS

Gravidez

A grávida não deve fumar porque o cigarro eleva o risco de o bebê nascer prematuro e com problemas pulmonares. Também se recomenda que ela tome ácido fólico, que reduz em 62% o perigo de má-formação no sistema nervoso do feto

Amamentação

É fundamental nos primeiros seis meses. O leite materno possui anticorpos que reforçam a capacidade imunológica do bebê. Crianças que mamam por mais de oito meses têm um quociente de inteligência maior que as que passam cedo para a mamadeira

 


 

 

Vacinas

Uma das principais razões do aumento da longevidade. Graças à imunização em massa, reduziu-se o índice de mortalidade infantil

Alimentação

A criança gordinha tem maior risco de se tornar um adulto obeso, pois, desde cedo, cultivou células adiposas que serão 'ativadas' no futuro. Para prevenir, a recomendação é simples: uma dieta pouco gordurosa

Atividade física

Deve começar na pré-escola. O contato com várias modalidades esportivas desenvolve o corpo e estimula o gosto pela atividade física

Dentes

Antes de os dentes aparecerem, deve-se estimular o hábito de fazer a higiene da boca. Passar flúor anualmente na criança é o primeiro passo para uma dentição perfeita

Pele

Chapéu e protetor solar 15 previnem manchas, rugas e o câncer de pele

Cérebro

Os primeiros anos de vida são conhecidos como as janelas da oportunidade. Crianças assimilam informações rapidamente e devem ser muito estimuladas. Pessoas com baixa instrução correm maior risco de desenvolver mal de Alzheimer

Cigarro

É o principal inimigo do envelhecimento sadio e deve ser combatido já na adolescência. Futuramente, 70% dos viciados tentam parar. Mas só 5% conseguem sem ajuda médica

Matriarca de uma linhagem de belíssimas mulheres, Alzira Botelho não aparenta seus 62 anos. A filha, a modelo Luiza Brunet, nem sequer é chamada de quarentona, apesar de sua idade. Para elas, os cuidados com a saúde carregam a beleza a reboque por toda a vida. 'Não sou viciada em cosméticos, mas sempre me alimentei bem, caminho diariamente e mantenho uma vida social ativa', conta Alzira. 'Cuidar da cabeça, do corpo e do espírito é o que leva uma pessoa a envelhecer bem', ensina Luiza. Yasmin, de 14, segue a carreira da mãe - e seus ensinamentos. 'Minha avó e minha mãe são bonitas porque sempre viveram em harmonia. Quero acalmar minha ansiedade para envelhecer como elas', diz a adolescente.

Não é de hoje que os médicos martelam a importância de cultivar hábitos saudáveis, embora a maioria dos brasileiros ainda desconsidere o conselho. 'São necessárias muitas campanhas de esclarecimento para mostrar à gestante, ao jovem e ao adulto que a forma como eles estão vivendo agora vai refletir lá na frente', alerta Clineu Almada, professor de geriatria da Universidade Federal de São Paulo. 'Enquanto se é novo, o corpo tem capacidade para funcionar mesmo sendo maltratado. Mas vai gastando suas reservas - e elas vão faltar quando o indivíduo estiver mais velho.'
 

Por essa razão nunca é tarde para começar. Ao diminuir o peso em 10%, qualquer pessoa consegue reduzir significativamente o nível da pressão sanguínea - e tirar benefícios disso. Depois de cinco anos de abstinência, quem sempre fumou corre o mesmo risco de sofrer um derrame que quem nunca colocou um cigarro na boca (embora, em doenças como câncer de pulmão, a recuperação do ex-fumante seja mínima). O advogado Nelson Sperb, de 77 anos, parou de fumar e aboliu a carne vermelha há 30 anos. Praticante de tênis desde a juventude, joga três vezes por semana e é o segundo do ranking brasileiro na faixa etária. 'Envelheci bem porque comecei a me cuidar a tempo', diz. 'Na juventude, vivia estressado com trabalho. Hoje continuo trabalhando meio expediente', conta, com orgulho e disposição. Há três anos, Sperb, viúvo, namora Odete, de 60, que conheceu num torneio. 'Meu corpo e minha mente refletem meu estado de espírito: estou bem, sou feliz.'

Todo mundo tem aquele amigo capaz de sustentar, com nomes e algumas anedotas, que tais cautelas não passam de exagero e modismo. Esse tipo de conversa é bom para animar uma noitada sem assunto, mas é cada vez mais difícil de levar a sério. Em 2001, cientistas da Harvard Medical School divulgaram um estudo que mapeou a importância do estilo de vida no prolongamento da vitalidade. Durante 25 anos, eles acompanharam de perto 120 mil enfermeiras. Analisaram desde resultados dos exames de sangue e urina até questionários que elas preenchiam contando em detalhes o dia-a-dia. Ao final, com 90% do grupo ainda vivo, concluíram aquilo que todo mundo já sabe mas é sempre bom confirmar com uma amostra gigantesca: as que não fumavam, comiam direito, controlavam o peso, faziam exercícios e tomavam vitaminas estavam vivendo mais e melhor e aparentavam ter menos idade que as outras.

A LINHA DA VIDA
DOS 20 AOS 40 ANOS

 
Estresse

É recomendável fazer uma avaliação psicológica para reduzir os graus de ansiedade, depressão e estresse

Álcool

Depois dos porres na adolescência, o adulto precisa aprender a conviver com a bebida sem cometer exageros. Demora para acontecer, mas, segundo pesquisas, um em dez adolescentes que bebem se tornará alcoólatra

Check-up

Hora de avaliar os riscos de obesidade e hipertensão. Como o risco de ter câncer de mama e de colo de útero cresce, as mulheres devem fazer mamografia e papanicolau

Cérebro

Queixas de memória nessa faixa de idade não costumam ter relação com alterações neurológicas. O déficit pode estar sendo provocado por estresse, ansiedade ou depressão

Hormônios

Começa a queda das taxas de testosterona (no homem) e estrogênio (na mulher). Apesar de ser cedo para fazer reposição hormonal, médico e paciente podem discutir essa possibilidade caso a caso

Exercícios aeróbicos

São essenciais para aumentar a capacidade cardiovascular e combater a gordura abdominal, que se acumula nos homens e nas mulheres. Nessas duas décadas de vida, cada pessoa engorda, em média, 8 quilos

VIDA PERDIDA
Quantos anos de vida as pessoas perdem por ser fumantes ou obesas - em relação às que não são
  Homens Mulheres
Acima do peso 3 3
Fumantes não-obesos 5,8 7,1
Fumantes obesos 13,7 13,3
Fonte: Universidade de Groningen/Holanda

 
Calé/ÉPOCA
SEM VIAGRA
Aos 70, Stenio curte uma ativa vida sexual com Marilene, de 34 anos

Segundo um famoso estudo americano, o Framingham Heart Study, quem gasta 2 mil calorias por semana com a prática de exercícios - o equivalente a uma caminhada diária de meia hora - aumenta a expectativa de vida em dois anos. Uma pesquisa da Universidade de Stanford com pessoas já na terceira idade mostrou que a prática de exercícios moderados resulta em uma hora a mais de sono por dia - tempo precioso, já que os idosos costumam ter dificuldade para dormir. Thereza Fernandes tem 73 anos e é corretora de imóveis. Está casada desde os 17, tem cinco filhos, 11 netos e uma bisneta. Quem a vê durante o dia percorrendo as ruas de São Paulo atrás de bons negócios, à tarde jogando tênis e à noite dançando tango jamais acertaria sua idade. Ainda cuida da casa e do marido, aposentado. Para dar conta de tantas atividades, Thereza não economiza horas de sono: cochila uma hora e meia depois do almoço e, à noite, dorme dez horas. 'O segredo é simples: dormir bem, manter a mente ocupada, o corpo tratado e ter humor. Ninguém volta a ser jovem, mas, se eu conseguir manter a criança que sempre existiu em mim, vou chegar aos 100 anos feliz', diz ela.

Outro estudo feito com 2 mil homens com mais de 50 anos revelou que aqueles que se exercitavam pelo menos 20 minutos todos os dias tinham a metade do risco dos sedentários de sofrer de impotência sexual. 'Com a queda dos hormônios ao longo dos anos, o apetite sexual se reduz para ambos os sexos, mas quem consegue driblar o estresse, pratica exercícios e faz reposição hormonal pode manter uma vida ativa até morrer', diz a ginecologista Rosana Durães Simões, professora da Universidade Federal de São Paulo. Aos 70 anos, o ator Stenio Garcia, casado com Marilene, de 34 anos (a quinta mulher), conta que ela não reclama da vida sexual do casal. Viagra, nem pensar. 'Depois dos 50, tudo no organismo aumenta ou diminui. Não me sinto como um garoto de 18 anos, mas temos uma boa freqüência. Faço exercício, amo minha parceira e estou com a mente boa.'

A LINHA DA VIDA
DOS 40 AOS 60 ANOS

Ossos

A redução da massa muscular e dos hormônios provoca a perda da densidade óssea. Na mulher, o processo começa aos 40 anos. No homem, aos 50. Alimentação rica em cálcio, doses diárias de vitamina D e um pouco de exposição ao sol reduzem o risco de osteoporose

 

Musculação

A partir desta faixa não adianta só andar ou correr. A pessoa perde 200 gramas de massa muscular por ano e ganha 600 gramas de gordura. Exercícios com pesos combatem a perda muscular

Visão

É difícil escapar dos óculos de leitura a partir desta fase. Menos elástico, o cristalino perde a capacidade de focalizar os objetos próximos


 
Alimentação

O excesso de peso atinge 40% dos adultos. É a hora de procurar o nutricionista e fazer reeducação alimentar

Check-up

Além dos exames para detectar riscos de infarto, são indicados os de artrose, osteoporose, danos na coluna, função renal e da tireóide. Os homens devem fazer um exame anual para checar problemas na próstata. Também é preciso fazer dosagem de vitaminas e ácido fólico, cuja escassez compromete a saúde

Exercícios

Alongamento, ioga ou RPG são bem-vindos porque corrigem problemas de postura

Estética

Além de usar protetor solar é preciso passar algum tipo de hidratante na pele para combater o ressecamento provocado
pela queda progressiva da produção de hormônios

Auto-estima

A crise da meia-idade atormenta homens e mulheres. Sinais de envelhecimento, mudanças hormonais, crise profissional e problemas no casamento podem comprometer o equilíbrio emocional. Pode ser o caso de uma terapia

Coração

Mais da metade dos brasileiros que morrem por problemas no coração tem menos de 55 anos. Má alimentação, sedentarismo e estresse provocam lesões nas artérias, diminuindo o fluxo sanguíneo. Quem nunca fez exercícios reduz teores de colesterol e diminui a pressão andando por meia hora três dias na semana

Sexo

A idade não causa impotência, mas diminui o apetite sexual. O homem passa a ter ereções menos vigorosas. Atividade física e remédios melhoram o fluxo cardiovascular. A mulher sofre com ressecamento vaginal. A saída são lubrificantes e exercícios que estimulam a musculatura da região

Cabelos

Nascem menos fios e eles demoram mais para crescer. Remédios antiqueda e implantes amenizam um problema que costuma abalar a auto-estima masculina

Dentes

O esmalte tende a amarelar e os ossos que sustentam os dentes enfraquecem. É necessário ir ao dentista a cada seis meses para remover a placa bacteriana e passar flúor. Afinal, novas cáries podem levar à perda definitiva dos dentes e são uma porta para infecções

Estética

Os médicos indicam certos procedimentos estéticos que preservam a auto-estima, apesar de as mudanças na aparência não serem um problema de saúde. Pode ser a hora de fazer um lifting no rosto e uma plástica para tirar as bolsas na região das pálpebras

Apesar de não existir um consenso sobre a dieta ideal - mais carboidratos ou mais proteínas? -, médicos de todas as correntes concordam que é necessário privilegiar alimentos ricos em nutrientes e pobres em calorias. A pesquisa da Harvard com as enfermeiras constatou que o consumo de luteína, substância encontrada no espinafre, diminui a incidência de catarata e reduz a degeneração da retina. Ela atua tanto como um antioxidante combatendo os radicais livres como um absorvente dos raios de luz que, aos poucos, prejudicam a região.

Estudos como o do médico Michael Roizen, professor da Universidade de Chicago, e do dermatologista Nicholas Perricone, professor da Universidade de Yale, apontam alimentos que têm poder rejuvenescedor. Alguns já são conhecidos, como frutas, verduras e grãos, fornecedores de vitaminas, fibras e antioxidantes. Outros são descobertas mais recentes, como o tomate. Pesquisas revelam que seu consumo diminui a incidência de câncer em função de um antioxidante que retarda o envelhecimento das células na próstata. Recentemente, o FDA, órgão que regulamenta os medicamentos nos Estados Unidos, aprovou o uso do DMAE, substância que parece favorecer a longevidade muito encontrada em peixes como salmão, sardinha e anchovas. 'Aumenta a síntese da acetilcolina no cérebro, diminuindo a fadiga física e mental', disse a ÉPOCA o professor Perricone. Prova desses efeitos é que até a cosmetologia está recorrendo ao DMAE na composição da fórmula de cremes antiflacidez. Nesse caso, os efeitos não só são visíveis como são sentidos na pele.

A LINHA DA VIDA

DOS 60 EM DIANTE

Pulmão

As paredes do órgão afinam-se e ele perde capacidade de oxigenar o sangue. Aos 70 anos, o homem preserva apenas metade da capacidade respiratória que tinha aos 20

Vacinas

Apesar de serem indicadas em qualquer idade, as vacinas contra gripe e pneumonia são especialmente recomendadas a partir dos 65 anos. Com o pulmão mais fraco, qualquer gripe vira um risco para a saúde

Exercícios

Deve-se fazer, sem exageros, um pouco de tudo. Caminhadas e hidroginástica mantêm a capacidade cardiovascular. Musculação fortalece os ossos. Alongamentos preservam a flexibilidade. A novidade desta fase são os exercícios para manter o equilíbrio, como tai chi chuan

Alimentação

Como a digestão é mais lenta, o ideal é comer pouco, ao longo do dia. Não se deve deixar de comer carne e alimentos mais sólidos para estimular a mastigação e o funcionamento dos dentes

Pele

O dermatologista deve ser procurado uma vez por ano para tirar caroços e manchas que podem virar tumor. É preciso usar cremes contra a coceira provocada pelo ressecamento natural da pele

Sono

Com o sono mais superficial, muitos tomam pílulas para dormir. Fazer atividade física e evitar cochilos diurnos contribuem para uma boa noite de sono

Depressão

Atinge 15% das pessoas com mais de 60 anos. Os filhos saem de casa e as mulheres passam pela chamada síndrome do ninho vazio. Quem viveu para o trabalho pode deprimir-se com a aposentadoria. Até os 70 anos, 27% dos homens e 45% das mulheres tem pelo menos um episódio de depressão

Cérebro

Diminui a capacidade de atenção e de realizar várias atividades ao mesmo tempo. A perda de acetilcolina, substância fundamental para a transmissão de mensagens, explica os lapsos de memória. Deve-se manter a atividade intelectual e diversificar os interesses para evitar a atrofia dos neurônios

Revista Época, Edição 243 - 13/01/03

Ver mais SAÚDE

..