LETRAS DE SONS MÚLTIPLOS -- 08/03/2003

Após essa rápida abordagem das letras mudas, cabe aqui considerar as letras que tem mais de um som.

C. Esta letra apresenta dois sons diferentes, de acordo com as vogais a que precede. Antes de a, o, ou u, c=k (causa, coisa; cume, etc.) Antes de “e” e “i”, c=s (cebola, cidade, etc.). Não oferece muita dificuldade. Quando queremos o som de k antes de e ou i, temos que empregar qu (querer, quiabo, etc.).

G. Antes de “a”, “o”, ou “u”, tem som palatal (gago, gorjeta, gume, etc.). Antes de “e” ou “i”, tem som alveolar, soando como j (gelo, gíria, etc.). Quando temos que formar o som palatal do “g” antes de “e” ou “i”, usamos “gu” (erguer, seguir, etc.).

Ü. Uma vez que a vogal “u” não soa nas sílabas “gue”, “gui”, “que”, “qui”, temos que usar o trema (¨) sobre o “u”, quando temos que pronunciá-lo (agüentar, argüir, aqüestos, eqüino, etc.).

A reforma ortográfica ratificada pelo Brasil, mas que não entrou em vigor por falta do necessário número de ratificações, elimina o trema, o que é um farto material para a torre de babel, provocando grave confusão de pronúncia. Muito bom seria que essa reforma nunca vigorasse, embora em muitos outros pontos seja ela benéfica.

R. Tem seu som fricativo no início de palavras (rato; rede; rima; rolo; rua; etc.), soando vibrante dentro do vocábulo (parar; parede; perímetro; poro; puro; etc.), exceto se precedido de consoante em sílaba distinta (enredo; abalroar; israelense; etc.) Para dar ao “r” o som fricativo no interior da palavra, temos que duplicá-lo, o que só ocorre após vogal (carro; correr; arrimo; verruga; etc.).

S. Após vogal, o “s” sempre tem o som de “z”, devendo ser duplicado para ter seu próprio som. (caso = ca.zo; casso = ca.so). Após consoante, o “s” jamais será duplicado, tendo normalmente o som próprio (absoluto, subsolo; subsídio (é errado dizer sub.zí.dio ou su.bi.zí.dio).

Exceções: nos os compostos de “trans” o “s” tem som de “z” (transação = tran.za.ção, trânsito=trân.zi.to, etc.). Um erro foi consagrado e oficializado em “obséquio” (pronuncia-se ob.zé.quio, sendo este o único caso em que o “s” tem som de “z” após “b”). É, pois, errado dizer “sub.zis.tír” (subsistir) e sub.zí.dio (subsídio).

X. O “x” é a letra mais complexa do nosso alfabeto, tendo vários sons.

X=ch. Ocorre na maioria dos casos em que é precedido de ditongo e em todos em que segue o som nasal (caixa; frouxo; enxergar; etc.), com poucos casos de som de “s” (auxílio; trouxe; etc.). É menos freqüente ter som de “ch” entre vogais (coxo; buxo; lixo; etc.). Também sempre que inicia o vocábulo (xarope; xícara; xororó; etc.).

X=s. Há poucos exemplos de “x” com o som de “s”, como alguns em que segue a ditongo, como já mencionado (auxílio; trouxe; etc.) e raramente entre vogais (sintaxe).

X=ks=kç. Ocorre em quase todos os casos de “x” entre vogais (reflexo; sexo; fixo; ôxido; fluxo; etc.), com raras exceções de x=ch (lixo; luxo; etc.) e no final da palavra (látex; cóccix; xerox; etc.).

x=z. Ocorre nos casos em que é precedido de e, na partícula “ex” (exato; exemplo; exército; êxito; exortar; exumar; etc.).

Em Hexágono afirmam gramáticas que o som do “x” é “gz”. Parece, todavia, fora de aplicação, dando lugar ao som “ks”.

Este texto é um item do meu livro intitulado PROTEJA SUA LÍNGUA

Ver mais NOÇÕES GRAMATICAIS

..