SAUDADE DO TREMA

 

Depois da entrada em vigor do último acordo ortográfico, sempre que vou escrever “cinquenta” sinto saudade daquele sinalzinho que para mim era tão importante, mas que os “velhinhos” convencionaram assassinar. Faz muita falta o saudoso trema. Se, quando ele existia, muitas pessoas já cometiam erros de pronúncia, agora as coisas só pioraram.

Recentemente, ao ouvir alguém do meu convívio falar de “prequestionamento”, pronunciando o “u” da palavra, fui informar que esse “u” não deveria ser pronunciado, ouvi que depois da eliminação do trema a pronúncia continuou a mesma. Tive que informar à pessoa que, mesmo antes de sua supressão, o trema já não existia naquela palavra. Mas, ela realmente já havia ouvido de várias pessoas idosas do meio jurídico a palavra pronunciada com o “u” sonoro. Muitas pessoas não entendiam a função do trema, pronunciando sem ele palavras onde ele existia ou pronunciando com ele onde ele não estava. E, se isso ocorria, agora a situação ficará muito mais grave.

Para quem já conhece a língua, os termos muito comuns onde o trema foi eliminado não oferecem dificuldades; mas para quem a está aprendendo, ele fará muita falta. Entretanto, vocábulos de uso raro irão causar confusão até nos próprios brasileiros, portugueses e outros povos lusófonos. Termos como “aquestos”, “equino”, etc. não são de uso constante, e irá ficar a confusão, uns pronunciando o “u” e outros não.

No interior onde nasci não era comum ouvir-se a palavra “tranqüilo” (usávamos outras palavras sinônimas). Quando aprendi a ler e certo dia deparei com a palavra em um livro, vendo aqueles dois pontinhos em cima do “u”, eu não tinha noção do que aquilo significava e imaginei que esse termo fosse pronunciado da mesma forma que se pronuncia “aquilo”. Posteriormente, ouvi uma pessoa falar a palavra de forma correta, aí é que deduzi a função do trema, o que confirmei posteriormente em noções gramaticais.

Lembro-me também de uma professora do primário dizendo sobre aluno “freqüentar” a escola, e ela falava como se o trema não existisse na palavra.

Pensando em exemplos como estes, onde, mesmo com a existência do trema, pessoas erravam ao falar, imagino que a partir de agora, o problema será muito agravado.

Sabemos que muitas palavras que em tempos mais remotos tinham o “u” sonoro e depois ele perdeu a sonoridade em resultado dos erros de pronúncia que se popularizaram e tomaram lugar das palavras corretas. Antiguidade, por exemplo, tinha o “u” sonoro e perdeu seu som no decorrer do tempo. O mesmo foi o caso de “questão”, “questionamento” e “prequestionamento”. No latim, a palavra “quaestio” tinha o “u” sonoro, e a nossa “questão” já foi “qüestion” e “qüestão". Mas, atualmente, pronunciar esse “u” é um erro ortoépico. E toda essa evolução vocabular é movida pelos erros, que, ao serem cometidos pela maior parte da população, são consagrados como variantes das palavras e, gradativamente, a pronúncia anterior desaparece do cotidiano das pessoas.

A inexistência de sinais gráficos indicadores em letras com mais de um som tende a gerar o que ocorreu na língua inglesa: a palavra “but”, correspondente ao nosso “mas”, é pronunciada “bat”, “bât”, “bur” (exemplo: Jonh Lennon em Mother), “bar” (Conjunto Abba em The Winer Take it All) e assim por diante.

Com a supressão do trema, a pronúncia das sílabas “gue”, “gui”, “que” e “qui” se transformará em uma verdadeira torre de babel, apesar de a globalização atual ser a melhor ferramenta de uniformização da língua. Pois, embora com menos freqüência do que no passado, ainda ouvimos muito os próprios apresentadores de programas de TV e rádio dizerem coisas erradas.

Quem preza pela boa linguagem, com certeza irá sentir saudade do trema.
 

Ver mais AJUDA GRAMATICAL

..

.